Visões do Mundo Espiritual (livro)

Certamente é muito difícil discernir quando uma revelação é genuína ou não. O discernimento espiritual se dá por meio dos sentidos e da mente espiritual, e por isso qualquer tentativa meramente humana para tentar discernir se algo vem de Deus ou não irá falhar.

É necessário estar em constante comunhão com Deus por anos para realmente crescer e obter um real e sólido conhecimento de Deus. Ainda que o conhecimento das Escrituras seja de extrema importância, não é o suficiente, e até mesmo posso dizer que não é o mais essencial ainda que necessário e de grande ajuda.

Assim como tenho feito nas últimas postagens por aqui, “Uma visão do Julgamento Final” e “Próximo do Fim”, novamente trago um conteúdo relacionado a visões espirituais que Deus tem dado a certos irmãos e irmãs. Ainda que já havia me justificado em parte sobre o motivo de dar credibilidade a certas visões/revelações que tenho lido sobre, gostaria de talvez acrescentar alguma coisa por aqui:

Infelizmente há de fato muita confusão com relação ao mundo espiritual e diversas pessoas de diversas religiões e mesmo sem religião alguma alegam ter tido alguma experiência, de terem os olhos abertos ao mundo invisível, o mundo espiritual. Eu por exemplo venho de uma família espírita (Espiritismo), com diversos relatos de experiências sensoriais ao mundo dos espíritos e de mensagens destes, nas quais há uma abundancia de confusão sobre a realidade espiritual. E assim o é com diversas culturas, povos e religiões em todo o mundo. Primeiramente é preciso entender que o mundo espiritual com sua infinidade de seres; anjos, demônios e outros espíritos; é uma realidade objetiva da qual nosso Senhor Jesus Cristo fala sobre e as testemunhas do Novo Testamento atestam sem qualquer dúvida, sendo portanto verdadeiro. Por outro lado, vemos que Moisés proibiu ao povo de Deus qualquer tentativa de se buscar uma comunicação com os espíritos (Deuteronômio 18:9-13), pelo glorioso motivo de que os israelitas haviam sido separados para Deus e que o próprio Eu Sou lhes falaria e ensinaria e supriria tudo quanto necessitassem. Também Isaías, adverte com clareza em seu livro da perversão de se buscar espíritos para nos orientar em vez do Deus Vivo (Isaías 8:19-22) e traz uma distinção sobre a revelação de Deus genuína que julgo ser importante. Ele diz “À lei e ao testemunho”, ou seja, “as Escrituras” como fundamento sólido da Palavra de Deus e “o fato real concreto no mundo físico” o resultado e os frutos de qualquer experiência considerada espiritual. É importante entender bem tudo isso para não haver confusão. Mesmo que a busca por orientação e satisfação e conhecimento através desses espíritos seja mal aos olhos de Deus, ao mesmo tempo Deus mesmo possuí um número incontável de espíritos e anjos que o servem, os quais em ocasiões específicas se apresentaram e trouxeram revelações, se comunicaram com homens de Deus como Abraão, o próprio Moisés, juízes de Israel, diversos profetas, o próprio Jesus, o apostolo João, etc. O que basicamente significa que quando tal associação com espíritos se dá a partir de uma iniciativa divina é algo santo e bom.

Um outro ponto que é preciso esclarecer é a respeito da Revelação de Deus. Há muitos mestres cristãos que ensinam que a Bíblia consiste na Revelação última e final de Deus, que após a Bíblia ter sido escrita Deus não tem nenhuma revelação adicional a dar, que a Bíblia é a Palavra de Deus e que nada fora dela o pode ser. Bem, basicamente acredito que grande parte dessas afirmações se da provavelmente ao que acredito ser uma interpretação inadequada de um dos pilares da Reforma Protestante que é o “Sola Scriptura” (Somente a Escritura). Não conheço a fundo o pensamento e os livros dos reformadores mas tenho conhecido a mente de Deus e acredito que a verdade envolvida aqui consiste em não anular a palavra de Deus com uma tradição que fosse humana e não fundamentada na palavra de Deus, como no caso de Jesus com os fariseus em Mateus 15. De qualquer maneira, você não irá encontrar essa ideia na Bíblia se estudá-la com cuidado, de fato você perceberá que ela fala a respeito de uma continuação da revelação e obra de Deus após os apóstolos. É bem simples, está escrito que “Portanto, vocês… são… membros da família de Deus, edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, tendo Jesus Cristo como pedra angular, no qual todo o edifício é ajustado e cresce para tornar-se um santuário santo no Senhor.” (Efésios 2:19-21). Veja, Paulo está comparando a obra de Deus a um edifício, uma casa por exemplo, e então ele diz que eles, os apóstolos, são os fundamentos dessa casa, e que Jesus é a pedra angular (mestra); o que nos leva a entender que não são a casa inteira, nem que através deles toda a casa se tornaria conhecida mas somente a fundação dela. O que cada um de nós é, e temos recebido, é sobre isso que damos o testemunho, e o testemunho é a revelação de Jesus Cristo o qual é o Verbo/Palavra de Deus. O testemunho dos apóstolos e daquela geração não pode ser completo sem o testemunho e a vida de todos os filhos de Deus que vieram depois, e que juntamente com os apóstolos formam a Casa de Deus. Portanto, não é palavra de Deus o que o é da letra, mas sim o que o é do Espírito. Como Jesus disse: “Ninguém conhece o Filho senão o Pai, e ninguém conhece o Pai senão o Filho e aquele para quem o Filho O quiser revelar.” O fundamento de uma casa da o norte, direção, prumo, para toda a casa mas não é em si toda a casa.  

A conclusão a que estou querendo chegar é de que sim, Deus continua a revelar e a acrescentar revelação ao que já tem revelado de Si mesmo ao longo dos séculos, e seremos bem-aventurados em beber das suas dádivas com louvor.

Muitas vezes não é necessário a Deus conceder tais revelações de uma forma explicita e visível, mas a visão escondida do Espírito no coração é mais usual, eficiente e talvez mesmo mais profunda. Todavia cabe a Ele decidir e não a mim e a você, e assim como Ele queira abrir Seus tesouros eternos, que Lhe sejamos gratos e com alegria possamos jubilar em Sua eterna bondade e misericórdia.

Segue abaixo a tradução de um livro do Sadhu Sundar Singh, um resumo das visões que Deus lhe deu sobre o mundo espiritual de modo explícito. É bom ler também sua biografia para saber quem ele foi em Cristo e que os frutos do seu testemunho e da sua obra são consistentes.

Link: Sadhu Sundar Singh – Visões do Mundo Espiritual

Abaixo segue um trecho do livro para que caso esteja na dúvida tenha seu apetite despertado:

“No céu ninguém pode jamais ser um hipócrita, pois todos podem ver as vidas dos outros como são. A luz toda-reveladora que flui do Cristo em Glória faz com que os ímpios em seu remorso tentem esconder a si mesmos, mas ela enche os justos com a máxima alegria de estarem no reino da Luz do Pai. Lá, a bondade deles é evidente a todos e aumenta cada vez mais, pois nada está presente que possa impedir seu crescimento, e todas as coisas que podem sustentá-los está lá para ajudá-los. O grau de bondade alcançado pela alma de um homem justo é conhecido pelo brilho que irradia de toda a sua aparência; pois o caráter e a natureza se mostram na forma de várias cores brilhantes semelhantes a arco-íris de grande glória. No céu não há inveja. Todos estão contentes de ver a elevação espiritual e a glória dos outros e, sem qualquer motivo de egoísmo, tentam, em todos os momentos, verdadeiramente servir uns aos outros. Todos os inumeráveis dons e bênçãos do céu são para o uso comum de todos. Ninguém por egoísmo jamais pensa em guardar algo para si mesmo, e há o suficiente de tudo para todos.

Deus, O qual é amor, é visto na Pessoa de Jesus sentado no trono no mais alto dos céus. A partir Dele, Que é o “Sol da Justiça” e a “Luz do mundo”, raios e ondas de luz e amor que curam e dão vida são vistos fluindo para a extensão máxima do Seu universo, e fluindo através de cada santo e anjo, e trazendo para o que quer que eles toquem poder vitalizante e vivificante.

Não há no céu nem leste nem oeste, nem norte nem sul, mas, para cada alma ou anjo individualmente, o trono de Cristo aparece como o centro de todas as coisas.

Lá também são encontrados todos os tipos de doces e deliciosas flores e frutas, e muitos tipos de alimento espiritual. Enquanto os comem, um sabor e prazer requintados são experimentados, mas depois de terem sido assimilados, uma delicada fragrância, que perfuma o ar ao redor, exala dos poros do corpo.

Em resumo, a vontade e os desejos de todos os habitantes do céu são cumpridos em Deus, porque em cada vida a vontade de Deus é aperfeiçoada, então, sob todas as condições e em todos os estágios do céu há para todos uma imutável experiência de alegria maravilhosa. Dessa maneira, o fim dos justos é eterna alegria e bem-aventurança.”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s