“CoronaVírus” vs Jesus Cristo (parte 2/2)

Este post é uma continuação do: “CoronaVírus” vs Jesus Cristo (parte 1/2)

Agora, vamos pensar juntos sobre aqueles dois princípios que havia dito no post anterior e buscar entendê-los em meio a tudo isso. Ok?

Vamos lá:

1. “Não tentará o Seu Deus.”

Sim, esse é um principio e mandamento de Deus extremamente importante, e refreia muito da tentativa meramente humana e carnal de se buscar trazer glória a Deus eu acredito. Ou àquela forma de se forçar a Deus de fazer algo que Ele disse que faz ou faria.

Mas, você tem que perceber a diferença entre fazer algo somente por mera vaidade ou “para ver” se o que Deus disse realmente é verdadeiro ou não e fazer algo em Seu Nome (enviado por Ele), comissionado por Ele a um propósito. Por exemplo, quando Jesus então se aproximava de um leproso para curá-lo, Ele não estava tentando a Deus; Ele não estava tipo pensando: “Está escrito que eu tomarei sobre mim as enfermidades deles, então vamos ver se assim mesmo… Está escrito que Deus vai guardar o Seu Servo do mal, vamos testar se isso realmente é verdade…” Não!! Jesus estava agindo pela fé, estava cumprindo a missão que o Pai Lhe deu! E isso, a despeito de todos bem saberem que lepra era algo extremamente contagioso, tanto, que os leprosos viviam completamente isolados (olha essa palavra aí) da sociedade. Veja bem, você não pode tomar o mandamento de “não tentar a Deus” como desculpa para não obedecê-Lo em Seus outros mandamentos! Percebe? Devemos ser igualmente cuidadosos e solícitos em obedecer a todos!

Nisso, a igreja de Jesus Cristo tem uma missão a ela comissionada pelo Seu Criador. Ela deve dar testemunho da verdade! Que Cristo possui Nele a salvação e a cura! Sim, das nossas almas é verdade, mas de tudo o mais idem!! Com ousadia, os que chamam a si mesmos de discípulos, devem anunciar a verdade das Suas palavras, não apenas meramente em um púlpito quando a situação está “de boa”! Mas principalmente no tempo de crise, a verdade de chamá-Lo de Mestre e Salvador, deve brilhar na escuridão deste mundo e, a realidade da fé e união com Ele devem então tornar-se evidente!

Vejam irmãos, eu não quero aqui ser precisamente muito duro sobre essas coisas. Mas quero falar, não por mim mesmo, mas por Aquele que tem a autoridade para nos chamar ao arrependimento diante Dele. Portanto, eu suplico a você, não seja tímido em sua fé! Levante-se ousadamente atestando e declarando que o que Jesus Cristo disse é a Verdade!! Não se deixe intimidar por homens, cultive seu próprio relacionamento íntimo e sólido com Ele; de onde você poderá, de fato, ter uma vida de fé e demonstrar isto de forma prática e real na sua vida. “Se você se mostra fraco no dia da angústia, é porque a sua força (ou fé) é pequena.” (Pv 24:10)

O outro princípio que havia falado, que tem sido usado então para o tal “isolamento” e consequente cancelamento de ajuntamento dos santos é:

2. “Submissão às autoridades seculares.”

Sim, novamente, esse é um principio legitimo e é claramente ensinado por Paulo, tendo sido divinamente inspirado, em Romanos 13 e em outros lugares.

Nisso, é preciso também pensar e perceber algumas questões. Primeiro, a verdade, é que nunca ouve de fato um real consenso entre as próprias autoridades. A Federal dizia uma coisa, a dos Estados e Municípios dizia outra, e mesmo entre estes havia diversificações. O STF deu a jurisdição (não sei se é o termo técnico aqui) para os Estados e Municípios “darem as cartas”. Sim, contudo, percebam que mesmo entre as autoridades isso estava um tanto quanto conflituoso. De qualquer maneira, acho justo e correto então sermos submissos às determinações das autoridades conforme declaradas, não de forma ilimitada (como explicarei). A submissão às autoridades reconhecendo que foram então estabelecidas por Deus para a punição dos maus e o louvor dos bons. Lembra? Segundo, essa submissão não consiste exatamente em obediência. Submissão significa que não devemos nos insurgir contra ela, ou deixar de honrá-la em sua função estabelecida por Deus. Devemos honrá-la e lhe pagar os tributos; precisamente para que por meio deles exerça sua função governamental de poder, ordem e força.

Mas, como você deve bem saber, existem muitos governos pelo mundo onde existe uma ordem direta que proíbe qualquer tipo de pregação, culto ou até mesmo exercício religioso. Não é? E então? Como devem proceder os filhos de Deus em situações como essa? Eles devem formar um exército e derrubarem o governo totalitário para trazerem leis mais livres e justas à nação? Não!! Devem manter-se submissos (não insurgirem). Contudo, eles têm uma obrigação com a missão e o mandamento da Autoridade maior, o Rei Jesus!! Isso significa, que a despeito de toda a retaliação que possam sofrer em sua desobediência ao governo secular, devem ser obedientes a Deus no testemunho, prática e pregação do evangelho e da verdade. Até mesmo ao custo de suas próprias vidas!

Bem, estou colocando estas coisas, apenas para que se perceba que nada pode ser colocado como empecilho para que os santos exerçam o Seu trabalho sagrado. Se nem mesmo uma afronta e direta perseguição dos poderes deste mundo, deve silenciar os cristãos em Sua ousada comissão; que dirá uma “ameaça” indireta de um vírus e uma certa coerção por parte de algumas autoridades seculares (lembrando que não todas elas e que elas estão divididas)? Portanto, isso também não pode ser usado como desculpa para a igreja de Deus se eximir do seu chamado e de obedecer sem questionar Aquele que a chama! Mas, entenda bem; obedecê-Lo é dar testemunho da Sua palavra em ações e palavras. Ou seja, esta “massa” de princípios que estou escrevendo e ainda muitos outros é claro, deve estar presente nas atitudes e resoluções do Seu povo. Verdade é, que a única forma da igreja então, expressar isto, é habitando e permanecendo em Cristo por meio do Espírito e, nessa comunhão, aprofundar-se cada dia mais a fim de que suas ações derivem da fé e não do medo ou de doutrinas de homens.

Uma outra questão muito importante aqui é que a igreja, deveria ser a “mãe mestra” da sociedade onde ela se encontra, ou seja, ela deveria ser devidamente o “baluarte da verdade” (1Tm 3:15), o exemplo em todas as formas para os que estão no mundo. Ela deve ser a fonte de inspiração para o mundo, de homens e mulheres que não tem medo, senão o temor do Senhor, e que dessa forma transmitem segurança e paz em Deus. Nesse testemunho então da igreja à verdade, algo deveria então sobressair, a verdade de que o que realmente importa é a limpeza do coração e não meramente do exterior, que nisso, e somente nisso, está a segurança do homem/mulher. Que Deus é Aquele que tem poder sobre qualquer “praga” que exista e, que somente Nele é que existe verdadeira paz e segurança. Que o mal sobre o mundo ou sobre a vida das pessoas não advém por causa da maldade ou de uma ira ou punição injustificável de Deus, mas que as pessoas do mundo, pela desobediência à Sua Lei, é que trazem o mal sobre si mesmas e provocam sobre si mesmas os juízos e punições do Criador. Ou seja, o poder do testemunho se dá, quando a igreja tem a ousadia e a fé em Cristo e, pela pregação do evangelho, não apenas de palavras, mas em realidade, traz salvação sobre o mundo perdido, e resplandece como “uma cidade edificada sobre um monte” (Mt 5:14) – que é Cristo – nas horas “escuras” do mundo que não possuí esperança.

Sendo essa também, a vocação da amada de Cristo, não iriam as próprias autoridades seculares buscar conselho e segurança nela? Como algumas de fato o fazem. E se ela desse um ousado testemunho da verdade e exercesse a plenitude da sua missão, não haveria muitos mais seguindo seu exemplo? Se necessário ela própria deve repreender as próprias autoridades e lhes comunicar a palavra de Deus, as leis e ordenações da Autoridade Mor! Como João mesmo repreendeu a Herodes. E, se as autoridades não derem ouvidos, se o ódio deles pela esposa do Cordeiro crescer ainda mais e a perseguirem, não seria isso precisamente para a nossa glória diante do Nome pelo qual sofremos e padecemos? De qualquer maneira, me parece que precisamos nos arrepender e perceber que estamos aquém da vocação. Precisamos depositar nossa fé muito mais no que diz o Salvador do que no que dizem médicos, psicólogos, sociólogos, cientistas, governadores, etc e até mesmo bispos, padres, pastores, reverendos, etc. A palavra de Deus deve ser digna de nossa completa e inteira confiança, acima de qualquer suspeita ou criticismo. Só assim, com esse tipo de confiança em Deus, poderemos de fato abandonarmos todas as coisas por Sua causa.

Preciso então dizer, que não estou dizendo com tudo isso, que a igreja, o povo de Deus, esteja se eximindo completamente da sua missão, claro que não! Além daqueles líderes cristãos, que com ousadia estão “desafiando” a tal “quarentena”; é claro que grande parte das igrejas estão tentando realizar sua missão e o serviço aos santos por meios virtuais, através da internet. Apenas digo que, se a fé no Deus Incotaminável fosse então devidamente levantada como uma “bandeira”; quão mais glorioso, puro e poderoso seria o testemunho erguido por aqueles que dizem ser os filhos do Pai.

Outra coisa também que preciso dizer é que, apesar de estar meio como que “reclamando” sobre a atitude de muitas igrejas no cessar das suas reuniões; a verdade é que, a verdadeira igreja e sua vida, não dependem de reuniões de “culto”, ou de grandes ajuntamentos. De modo nenhum. A igreja verdadeira e pura depende somente do amor sem mácula de Cristo. Que através desse amor de Jesus nos amemos uns aos outros como Ele nos ama. Isso, o amor, nos impelirá a servirmos uns aos outros com os dons que o Pai nos tem concedido; e deve ser por esse motivo, e por esse motivo somente, que devemos nos encontrar uns com os outros, a fim de produzir edificação na vida do seu irmão e irmã. As reuniões são uma forma de tentar realizar isso que estou dizendo. Porém, de maneira nenhuma a vida da igreja, suas relações, deve se limitar ou estar condicionada a isso, “reunião”. Porém, não creio que as reuniões caseiras devam cessar, de forma alguma. Não se pode ser covarde ou tímido, esses tais não têm parte no Reino de Deus. Ainda que seja verdade que seja possível para você servir ao seu irmão sem encontrá-lo; seja pela oração, por se escrever algo como estou fazendo, gravar um vídeo transmitindo os seus dons, reuniões virtuais, santificando a si mesmo e etc; nada disso realmente se iguala à comunhão face a face penso eu. Por isso mesmo, não acredito que faltarmos com essa importante tarefa seja da vontade do Pai.

Uma última coisa a se acrescentar é que sim, é possível seguir a vontade de Deus sem nos encontramos com ninguém por um tempo. É possível viver uma vida para Deus grandemente frutífera, tendo contato com muito poucas pessoas e por não muito tempo, como provavelmente deve ter sido a vida de João Batista no deserto por exemplo. Porém, tal separação, para que ela seja santa e útil no Reino de Deus, deve partir de uma impulsão e inspiração do Espírito Santo, e não devida a um vírus ou outro motivo qualquer.

Bem irmãos, a conclusão que quero chegar é que não devemos ser medrosos. Devemos buscar viver a plenitude da palavra de Deus com sabedoria. A pessoa e as palavras de Jesus devem ser para nós a base de nossas vidas, não somente “da boca para fora”, mas com fé e verdade. Devemos responder à voz do Espírito de Deus de imediato e sem questionar, depositando toda a nossa confiança em sua exaltada sabedoria e amor, que produzirá o máximo bem a nós e ao nosso próximo.

Na graça e no amor de Jesus,

Seu servo.

“CoronaVírus” vs Jesus Cristo (parte 1/2)

Olá irmãos!

A graça e a paz do nosso amado Senhor seja com todos!

Desde o início do surgimento do Coronavírus, COVID-19, e depois, com seu aparente “terror” sobre o mundo; tenho pensado e meditado sobre a reação da igreja, o povo de Deus, a isso.

Mas antes de lhe apresentar essa meditação, preciso lhe rogar que você a leia até o fim. Não seja precipitado em seu julgamento sobre o que estarei dizendo, até que você o tenha lido até o fim. O todo é muito importante, e penso que é a única maneira de se ver o quadro como realmente o é. Obviamente, aqui estão apenas algumas poucas palavras sobre esse assunto, o qual daria um livro, como alguns já tem feito por aí. Ainda assim, ouça com cuidado e de boa vontade as palavras aqui escritas, sempre meditando em Deus em seu espírito. E então, após ter pesado tudo diante da Sua presença, dar o veredicto se tais palavras são do céu ou do homem.

Então vamos lá…

Confesso que no início de seu alarde, quando ele ainda estava na China, menosprezei seus efeitos como também uma parte da sociedade o fez. Não parecia que ele se alastraria pelo mundo como foi, nem que produziria o número de mortos que tem produzido. Ainda que seja verdade, que desde o início a China empreendeu estruturas hospitalares ‘records’ se não me engano; o que demonstrava ser algo digno de se preocupar.

Minha falta de preocupação no entanto, não se deu propriamente por esses dados transmitidos pela mídia (naquele início), mas ao fato de que nessa época, creio que início de fevereiro, tive início a uma espécie de isolamento diferente hehe. Não por proteção ao vírus, que nem aqui tinha chegado ainda, mas para me dedicar ao estudo de um livro em especial e para me santificar pois estava bastante necessitado de ser cheio de Deus e de Sua Palavra. Assim sendo, a verdade é que vinha completamente alheio a tais acontecimentos exteriores, e minha atenção estava focada em Deus e em me santificar devido a minha imensa necessidade.

Contudo, ouvi de alguém aqui ou ali, pessoas (crentes) cancelando viagens por causa do vírus, alguns (crentes) aparentando um certo receio quanto ao que podia advir disso tudo.

Meu pensamento nessa época era que: “Se as pessoas estão nesse estado de desespero por causa de um vírus que mal-mal tem em seus efeitos matados alguns milhares (não sei o quanto havia de mortos exatamente na época desse pensamento e certamente não sabia das projeções já conhecidas pelos governos em relação a tal vírus, o que não altera muito seu tamanho em minha comparação) realmente quando as coisas do fim que estão preditas pelas escrituras começarem a acontecer; quão certo será que eles (os ímpios) dirão às rochas e às montanhas: “caiam sobre nós, e nos escondam da face daquele que está assentado no trono e da ira do Cordeiro!”” (Apocalipse 6:16)

Porém, depois do vírus então finalmente ter chegado ao Brasil e o receio de ser contaminado por ele se disseminou na população e entre as pessoas ao meu redor, eu vi muitos daqueles que se dizem crentes em Jesus e nas suas palavras, demonstrarem então o mesmo medo e receio. Ainda quando as pessoas (os crentes também) estavam se encontrado, alguns então começaram a cumprimentar-se (até os ditos “pastores”) com os cotovelos com o receio de se contaminarem. Lembro-me que nesse tempo, ainda bastante alheio a tudo isso, não discerni no primeiro momento o porquê de tal cumprimento com o cotovelo rsrs ?? Porém depois, logo em seguida, as conversas sobre o Vírus Corona me deixaram a par do porquê.

Depois disso, como todos sabem e é como está nossa situação atual, foi instaurada pelos governadores e prefeitos de vários lugares o tal “isolamento horizontal”, para que não houvesse disseminação e contaminação do vírus, ou seja, as pessoas deveriam então recolherem-se em suas casas procurando reduzir ao máximo o contato com outras pessoas. Lembro-me até mesmo de ver pessoas, ao fazerem caminhada umas com as outras ao ar livre, manterem-se a uma distância uma da outra de uns dois metros, como forma de prevenção.

Seguindo então essa norma e ordem do “isolamento”, uma grande parte das igrejas cessaram com as suas reuniões. A verdade, é que vi – ainda mesmo quando o isolamento estava um pouco mais brando e, pelo menos em BH, a “orientação” (ainda não estava muito impositivo) era que não houvessem aglomerações maiores que 100 pessoas – igrejas cancelarem pequenas reuniões caseiras de até mesmo 20 pessoas ou menos.

Bem, eu sei que essas atitudes foram justificadas pelos líderes de cada localidade e, pelo que parece, para a maior parte das pessoas elas pareceram muito prudentes e sensatas. Não quero exatamente julgá-los aqui; apenas o Juiz pode fazer isso. Porém, eu queria talvez mostrar uma visão por um outro ponto de vista.

Para mim, desde o início desse, vamos chamar de; desmantelamento das reuniões devido à possível contaminação; veio à minha mente um texto da escritura muito claro, como penso também que expos qual é a realidade da fé de muitos crentes.

É verdade que eu não esperaria fé vinda, ou se manifestando, entre os que não conhecem a Deus. Mas o que de fato me transpareceu e eu pude ver, foi uma grande parte dos crentes com receio, mesmo com medo do Covid-19. Sério! Como disse, até mesmo aqueles que deveriam ser exemplos para os demais estavam (ainda estão parece) recuando, se acovardando é verdade, perante a tal “ameaça”. Ainda que o título desse texto seja, em parte, um absurdo; já que Ele, Jesus Cristo, é o Senhor dos Exércitos e não há quem ou o que, que possa Lhe opor; todavia, para alguns que professam o seu Nome isto não parece ser uma realidade.

Eu sei que a orientação dos líderes cristãos e a atitude de grande parte dos crentes se baseia basicamente em dois princípios: 1. “não tentar a Deus” e 2. “submissão às autoridades”. E eu sei que essa foi a combinação que se ofereceu. Porém, eu gostaria de colocar mais “ingredientes” a esta “massa”, para que não estejamos desnutridos e com falta de “vitaminas” essenciais à nossa fé.

Quero pensar sobre cada um dos princípios citados acima e buscar realmente entender eles de maneira mais lúcida (com luz) diante do Senhor.

Porém antes, vamos acrescentar outro a eles.

Veja os textos a seguir:

“O fariseu, porém, admirou-se ao ver que Jesus não se lavara primeiro, antes de comer. O Senhor, porém, lhe disse: Vós, fariseus, limpais o exterior do copo e do prato; mas o vosso interior está cheio de rapina e perversidade.”

Lucas 11:38-39

“…interpelaram-no os fariseus e os escribas: Por que não andam os teus discípulos de conformidade com a tradição dos anciãos, mas comem com as mãos por lavar?…
…Convocando ele, de novo, a multidão, disse-lhes: Ouvi-me, todos, e entendei. Nada há fora do homem que, entrando nele, o possa contaminar; mas o que sai do homem é o que o contamina….
…Quando entrou em casa, deixando a multidão, os seus discípulos o interrogaram acerca da parábola. Então, lhes disse: Assim vós também não entendeis? Não compreendeis que tudo o que de fora entra no homem não o pode contaminar, porque não lhe entra no coração, mas no ventre, e sai para lugar escuso? E, assim, considerou ele puros todos os alimentos.
E dizia: O que sai do homem, isso é o que o contamina. Porque de dentro, do coração dos homens, é que procedem os maus desígnios, a prostituição, os furtos, os homicídios, os adultérios, a avareza, as malícias, o dolo, a lascívia, a inveja, a blasfêmia, a soberba, a loucura. Ora, todos estes males vêm de dentro e contaminam o homem.”

Marcos 7:5,14,15,17-23

Percebam o princípio dos textos acima; “NADA há fora do homem que, entrando nele, o possa contaminar…”. Eu sei que o argumento de muitos aqui, é que o contexto acima se refere aos rituais de purificação judaicos e que, portanto, se refere então a questões religiosas apenas. Bem, por um lado essa é uma afirmação verdadeira, sim, os judeus, inspirados pela lei de Moisés, realizavam diversos rituais de lavar tanto a si próprios como a diversos objetos. É verdade também que, para eles, esse lavar era então algo como que sagrado, ou seja, entendiam que os tais, fossem da vontade de Deus. Por esse motivo mesmo, eles então acreditavam que deixar de fazê-los os tornava impuros, de fato, imundos. Em suas mentes, tal contaminação desagradava a Deus e, dentre as consequências de se desagradá-lo estaria, por exemplo, contrair algum tipo de doença, como lepra ou outra qualquer – sabia? Veja, o motivo deles para lavarem-se tinha então como base, as instruções que Deus havia dado a Moisés já; o motivo para grande parte da sociedade atual, se baseia nos estudos científicos a respeito de germes, vírus, bactéria, etc. Você, que crê na inspiração das escrituras, pode afirmar que o segundo tem mais base na realidade e validade do que o primeiro motivo? Ou será que para o Deus Onisciente os vírus e bactérias são invisíveis. Será que quando Ele entregou tais instruções na lei, Ele próprio não conhecia todos esses micro-organismos desse mundo caído? A justificativa para se lavar as mãos e as demais coisas dos nossos dias, também não dizem assegurar, de certo modo, saúde e ausência de doenças em nossas vidas? Não diríamos também então que esta é precisamente a vontade de Deus para nós, para que tenhamos então vidas saudáveis e livres de doenças? Vejam, não me parece que sejam coisas tão desassociadas como o mundo moderno tende a arrogar.

O fato é, que Jesus realmente não lavou as suas mãos. Ou Ele também não sabia da existência de vírus e bactérias? Se não sabia e não o fez por ‘ignorância’, não deveria então ter se adoentado em algum momento da Sua vida por isso? Mas Ele é o Filho de Deus… Talvez você pense. Ora, os seus discípulos não fizeram precisamente a mesma coisa, talvez até mesmo pelo Seu exemplo. Por acaso Jesus os aconselhou a se lavarem dizendo: “Para vocês é melhor que se lavem, eu não me contamino porque meu Pai me guarda mas vocês necessitam desinfetar as mãos.”? Vemos que não. Não é! Na verdade, sua resposta foi bem diferente disso…

Sim irmãos, nós precisamos entrar no cerne da questão. Como em outro lugar Jesus diz: “…limpa primeiro o interior… para que também o seu exterior fique limpo!” (Mt 23:26). E aí é que está a chave! Onde está a sua verdadeira preocupação? Percebe? Você está mantendo o interior limpo? Está buscando essa pureza em seu interior? Está vigilante quanto ao que saí dos seus lábios? Aquilo que procede do seu coração? Ou suas preocupações estão relacionadas ao lavar das mãos no exterior? A manter uma distância das pessoas para evitar contaminação?…

Por que? Por que os filhos de Deus não creem nas palavras do seu Mestre e Senhor? Por que a ciência, a comunidade médica ou outra coisa qualquer possui maior credibilidade em seu coração do que as palavras do Seu Salvador?

Ah irmãos, como nos é necessário nos arrepender diante Dele. Quão pequena é a nossa fé. Como somos levados e persuadidos para longe das suas palavras com facilidade; e, então nos desviamos e abandonamos aquilo que é o mais importante. Enchemos nossas mentes com os argumentos terrenos e baixos da assim chamada “ciência” e somos então muitas vezes negligentes em sermos cheios da Palavra Viva de Deus. Não sabem, que ELE, o Senhor, é Incontaminável? E se então o seu coração estiver transbordando do Santo, poderá então advir daí algo impuro ou imundo? Não o será de TODO limpo? E se este, no interior estiver limpo, não o será o exterior também? Não seria então, o motivo do nosso receio e temor em relação ao vírus, devido à não estarmos cheios de Deus? Aquele que é uma Rocha Eterna e Inabalável, cuja segurança do coração Nele firmado, é como o tronco do cedro, um pilar de concreto armado? Ah irmão e irmã, quando o Filho do homem vier, “porventura achará fé na terra” (Lc 18:18)?

Bem, ainda que diga tudo isso assim desse modo, não é meu conselho que você deixe de tomar banho rsrs, isso certamente o fará cheirar muito melhor. Porém, NADA que vem de fora pode contaminá-lo. Lembre-se, a contaminação vem de dentro, do nosso coração. Em Cristo estamos seguros, se constantemente estivermos purificando nossos corações das impulsões malignas da carne. Contudo, isso não significa que os servos de Deus, que o amam e o servem com fidelidade, estejam exatamente livres de males como doenças e vírus. Na realidade, como os exemplos bíblicos de – Jó, Paulo (“espinho na carne”) e outros – os homens e mulheres de Deus sofrerão grande perseguição neste mundo devido aos poderes malignos que aqui operam e reinam. Sendo, que uma das formas dessa perseguição “se manifestar” ser através de doenças. Porém, NENHUM tipo de purificação externa tem qualquer valor ou defesa contra isso. Na verdade, mesmo diante de tais perseguições, as quais na vida do verdadeiro servo e serva de Deus são antes para o seu bem do que para sua perda, o homem e a mulher de Deus que estão alicerçados e enraizados Nele, se aprofundarão na pureza dos seus corações e na santificação dos mesmos em oferta a Deus. E delas sairão fortalecidos em seu ser interior e tributarão glória ao Santo.

Eu imagino muitos de nós andando ao lado de Jesus naqueles dias e, vendo-o se aproximar de um leproso, o advertir: “Rabi, cuidado, não se aproxime dele, ele é impuro, você se contaminará!” Afirmação essa que nos pareceria muito prudente e sensata. E se então em nossos dias: “Jesus, é melhor você não sair na rua, se sair use uma máscara, não, não visite essa pessoa, ela está contaminada com o Covid-19, você pode se contaminar com o vírus e isso será muito ruim, isso o tornará um agente transmissor.” E: “Jesus, não é uma boa você ir no hospital para curar pessoas e pregar nesse momento, é melhor esperar essa crise do Covid-19 passar, não é prudente você visitar os idosos lá, porque, caso você esteja contaminado com o vírus, você pode transmiti-lo e é muito perigoso porque eles fazem parte do grupo de risco. Nós temos que ter cuidado com a vida sabe Senhor, esse vírus pega muito fácil e nós precisamos contê-lo. Vou te enviar um link pelo WhatsApp com mais informações sobre o Corona pra você ficar a par de como proceder ok?”

Pode até parecer ridículo não é? Porém, – me digam crentes? Será que não sabem? Que Cristo habita em vocês e que vocês são o Seu corpo? Nunca ouviu falar, não ouviu dizer; que “estes sinais seguirão aos que crerem: colocarão as mãos sobre os enfermos e estes se recuperarão”? Aquele que curava no passado, não cura mais? Aquele que podia colocar as Suas mãos sobre o leproso e não ser contaminado mas ao contrário curar, não pode mais? Seu braço encurtou? E, – me diga? Onde está a Sua mão agora? Quem é Sua mão, pé, nariz ou boca? Será que não sabem? Sim! Ele habita em nós! E nós devemos ser os Seus membros que vão até os enfermos e contaminados e os curam! Veja, não importa um tipo de prudência terrena e que não salva; mas sim a verdadeira, dos que sabem que se encontrarão com o Seu Deus e por Ele serão julgados pelo que fizeram em Seu Nome; a dos que têm conhecido o Deus Onipotente diante do qual “tudo está descoberto e exposto” (Hb 4:13), inclusive os segredos do coração e o que dele procede. Purifica seu coração! E de nada terá medo a não ser o temor do Senhor será o seu espírito!

Sim, creio que mesmo no que se refira a contaminação de vírus, bactéria ou qualquer outro tipo de micro-organismo, ela não se dê por qualquer falta na purificação/limpeza externa do corpo. Mas sim de uma baixa “imunidade”, não dos anticorpos do organismo físico, mas antes, da falta de vigilância e vida espiritual com Deus, que é o que de fato produz a proliferação do verdadeiro mal do pecado; que então sempre foi e ainda é, o agente da doença e da morte. Eu realmente espero em Deus que entenda o que estou dizendo. Que as “armas da sua milícia” não sejam carnais; mas que firmando sua vida Nele, possa andar com confiança e sem medo algum, quer do Coronavírus, quer até mesmo da morte; a qual “foi tragada pela vitória” em Cristo!

Pense bem, não deveria este principio que estou falando, se juntar à “massa” daqueles dois? Eu creio e estou seguro que sim!

Clique abaixo para a segunda e importante parte deste texto:

“CoronaVírus” vs Jesus Cristo (parte2/2)